segunda-feira, 9 de junho de 2014

Lado C Entrevista: Bê O - Ironia

Saudações a todos, a entrevista da semana foi com a Bê O, a respeito de sua música "Ironia".

Sobre a Bê O

Lado C: Quando e como você entrou para o ramo musical?

Bê O: Desde bem pivetinha eu canto pela casa e escrevo algumas letras...Tive uma banda, fiz minhas primeiras apresentações. Mais tarde as coisas foram ficando mais concretas. Eu escrevia rap, mas não sabia que aquilo que eu fazia era rap. Até que eu mostrei essas letras para algumas pessoas que me disseram que aquilo era bom. Então, um cara lá do sul viu um vídeo meu na internet cantando uma música minha e quis fechar comigo em alguns sons. Eu viajei pra lá, nós trabalhamos juntos e gravamos meu primeiro EP, o Boletim de Omissão. 

Lado C: Quais foram os primeiros músicos que você conheceu através do RAP?

Bê O: Um cara que eu conheci no início da minha caminhada e que me estendeu a mão e confiou no meu trampo foi o Nocivo Shomon. A primeira vez que estive num estúdio para gravar, foi junto dele, a gente gravou um som juntos chamado "Nosso País". Depois dele conheci várias pessoas envolvidas no movimento, fiz grandes amigos através do hiphop.

Lado C: Você tem ou participa de algum projeto além do RAP em si, como projetos com bandas, venda de beats etc?

Bê O: Sim, eu estou junta dos meus parceiros do coletivo cultural Periferia Invisível e nós estamos com uns projetos para serem realizados aqui na zona leste. Faremos um evento chamado Arruaça, uma vez por mês na minha quebrada. Aqui na Leste 5, eventos culturais e  espaços de lazer estão muito escassos. Então eu tive a ideia do evento e achei essa galera que quis fechar comigo pra fortalecer... vai ser daora pra mulecada colar, ouvir um rap, ouvir uma ideia, conhecer o movimento. O primeiro evento acontecerá em agosto deste ano.

Sobre a música "Ironia"

Lado C: Quando a letra foi feita e como surgiu a ideia?

Bê O: A música Ironia foi feita quando eu tinha 13 anos. Eu estava em meu quarto, com um violão e uma revolta. Eu havia acabado de perder meu pai e me sentia impotente por perder meu pai pra um sistema de saúde público e integligente. Creio que desaguei um pouco da minha incompreensão naquela letra.

Lado C: Quem foi responsável pela produção instrumental, captação de áudio, arte e outras coisas do som?

Bê O: Nas músicas do meu EP trabalhei com o produtor Jacko Bagatini, de Curitiba. O cara é embaçado, talentoso demais. Também trabalhei com os músicos, Fellipe da Luz na guitarra, Diego Antunes no Baixo e com a backing vocal Lagmê.

Lado C: Como você resumiria a ideia que o som transmite?

Bê O: A ideia é a seguinte, a educação, a saúde e a justiça são falhas no Brasil...  Nossa gente sofre, o povo da periferia sofre...e a imagem que tentam passar é de que o brasileiro é só festa, futebol, bunda. A ideia tinha que ser outra, pelo menos para a consciência de quem nós realmente somos, de qual é nossa cultura de fato.

Música:

Minha Opinião:
A primeira coisa que chama atenção na música Ironia é seu ritmo diferenciado e a melodia na letra, coisa não muito comum entre rappers. Bem puxado pro reggae, denuncia a realidade que muitos se recusam a enxergar numa vibe nada cansativa.
Frase mais marcante:
"E o povo pensa: E daí, se eu for cúmplice no assassinato da justiça do nosso país? E daí?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário